A MUSICA QUE NOS ENCHE O CORAÇÃO

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

A DIFERENÇA ENTRE SER HUMANO E SER RÉPTIL


A diferença entre o  ser  sportinguista ou ser  lagarto
http://www.relato.pt/miguel-costa/


O meu sentimento pelo Sporting Clube de Portugal é forte. É muito forte mesmo. E é fácil de resumir numa palavra: Amor. Desde os meus seis/sete anos que vejo jogos do Sporting ao vivo, em Alvalade. Não há maior emoção desportiva do que vermos o clube que amamos a jogar. Já vi o Sporting ganhar, empatar, perder, mas o meu amor é incondicional. Muitos jogadores, dirigentes, funcionários passaram pelo meu Sporting, mas a instituição está acima de qualquer pessoa.
Em 33 anos, aproximadamente, de idas a Alvalade, muitas histórias poderia contar. Muitas mais positivas que negativas. Acho que posso considerar como uma relação familiar, que tem os seus altos e baixos, mas que perdura ao longo do tempo, incondicionalmente.
Se tivesse de escolher um, acho que o mais marcante terá sido o dos 7-1 ao Benfica. É um recorde até hoje. Porque é raro um resultado entre rivais históricos ser tão desnivelado, pela emoção de cada golo. Lembro-me como se fosse hoje. Dia de derby, dia de enchente, muita gente mesmo, o caos à volta do estádio de Alvalade, o antigo Estádio de Alvalade, onde se estacionava onde houvesse um buraco para o carro, em parques de terra batida, ou em cima dos passeios, ou em segunda e terceira fila. Fui com o meu tio, um grande responsável pelo meu sportinguismo ferrenho.
Nunca fui alto, é algo que me acompanha desde pequenino, ehehehe… e nestes dias de enchente, ficava muito concentrado em não me perder. Especialmente nestes jogos. Só via pessoas, muitas pernas, pisadelas, empurrões, mas estava sempre tudo bem. Sempre. Porque estávamos em família. Estamos sempre em família. A família Sportinguista. Não havia a organização que há hoje, dos acessos, da segurança minuciosa. A chegada ao meu lugar já era uma emoção.
O pontapé de saída. Não perdia por nada e ficava ainda mais nervoso se sabia que ia chegar atrasado. Nesse dia nada de atrasos. Lá estávamos. Estava também longe de prever que aquele 14 de Dezembro de 1986 ia ficar para a história.
Mario Jorge faz 1-0 a abrir o jogo. Era Dezembro mas não havia cá frio para ninguém! Festão logo a começar o jogo. Segunda parte, o nosso Manel, o Manuel Fernandes, faz o seu primeiro golo, o primeiro dos quatro que iria marcar! Wando, do Benfica, reduz para 2-1. O meu maior ídolo, até hoje e acho que será para sempre, o grande Vítor Damas, evita o empate e deu uma motivação extra para o Sporting cavalgar para a história. 3-1, 4-1, 5-1, 6-1 e ainda 7-1!!!!!!!! Parecia um sonho! Mas era bem verdade! Estar do meu lado da barricada era lindo, estar do outro lado deve ter sido um pesadelo. Alguns adeptos do Benfica começaram a queimar bandeiras, cachecóis, envergonhados pelo resultado tão desnivelado. Aquilo impressionou-me na altura. Ainda hoje. Não é uma crítica, não é gozo, impressionou-me. Mas era dia de festa, uma festa louca!
O jogo acabou, o Manel marcou 4, o Mário Jorge 2, o Ralph Meade marcou mais um.
Nessa época, o Benfica foi campeão, com apenas uma derrota. O meu Sporting ficou em quarto. Se trocava aquela vitória pelo título de campeão? Nunca! Não é por acaso que é o resultado mais desnivelado até hoje em derbis entre o Sporting e o Benfica.

------------------------------------------

Como este existem muitos por aí, não são todos mas acredito que são a maioria....
É por mentalidades como esta que são pequenos e vão continuar a ser...
Ganhar ao BENFICA é o melhor que receberem um titulo de Campeão.....


sábado, 6 de fevereiro de 2016

MAQUINA DE FAZER GOLOS

UEFA rendida à «máquina de fazer golos» encarnada

«Benfica, uma máquina de fazer golos». É com este título que a UEFA publica, na edição online desta sexta-feira, um artigo sobre a competência atacante dos encarnados, descrevendo as águias com uma «capacidade de finalização verdadeiramente avassaladora».

O organismo que rege o futebol europeu destaca os 54 golos do clube da Luz nas 20 jornadas realizadas no Campeonato, destacando que «é preciso recuar até 1983/1984 para ver um Benfica com a pontaria tão afinada – 56 tentos em 20 jogos».

«Em finais do último mês os encarnados chegaram mesmo a ser a equipa mais concretizadora da Europa em termos parciais (com 23 tentos em sete jogos até dia 27), à frente de equipas como Mónaco (21 em cinco) e Barcelona (20 em sete)», acrescenta a publicação.

Além disso, a UEFA aponta o treinador Rui Vitória como o grande responsável pelo sucesso recente das águias, assim como Jonas (melhor marcador da Liga com 21 golos), Mitroglou, Gaitán ou Pizzi.

A defesa encarnada também não foi esquecida. De acordo com a mesma fonte, «Jardel e Lisandro López têm dado boa conta de si».



segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

MAIS UM BRILHARETE

Intensidade e querer foram muito importantes
Jonas, autor de dois golos na vitória (4-1) do Benfica em Moreira de Cónegos, destacou a qualidade da exibição do coletivo, relegando para segundo plano a luta pelo estatuto de melhor marcador da Liga.
Entrada forte foi a chave para o primeiro golo e para termos mais tranquilidade. Estamos todos de parabéns, foi uma grande vitória, frente a um adversário difícil, que dificultou nos primeiros minutos», começou por analisar o avançado brasileiro, em declarações à Sport TV.
«Sabíamos que este jogo seria para uma competição totalmente diferente, também com outros jogadores, e que iria ser difícil. A nossa intensidade e querer foram importantes para conseguir os três pontos», realçou Jonas, líder destacado dos melhores marcadores da Liga, com 21 golos
«Primeiro penso no coletivo, é o mais importante e o que marca. O individual, neste momento, não é importante», desvalorizou o número 17 , apontando «a mudança rápida de direção, a intensidade e a velocidade» como o `segredo´ do caudal ofensivo das águias.......


Siga em frente em direcção ao objectivo

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...